Google+ Followers

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

Coração Aberto

Quando decidi escrever me senti uma borboleta saindo do casulo. E junto com ela saíram os sentimentos e os pensamentos que muitas vezes não conseguimos transmitir. Descobri que ser poeta é opinar sem medo, escrever é desvincular-se de segredos e expressar-se é viver intensamente.

JosiLuA

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

QUERO ALGUÉM

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)




Eu quero alguém que me faça sorrir,
só pelo fato de se encantar com a luz do meu olhar.

Eu quero alguém que cubra meus olhos,
porque quer me fazer sentir a textura da areia nos meus pés.

Eu quero alguém que me acorde com beijinhos,
porque não aguenta mais a saudades da minha presença.

Eu quero alguém que chegue em casa mais cedo,
para ajeitar a mesa para um jantar romântico.

Eu quero alguém que entenda meu coração,
e jamais faça dele um tapete para limpar os pés.

Eu quero alguém que possa sentir a tristeza em mim,
e que saiba me abraçar aconchegando-me no peito.

Eu quero alguém que me leve para passear em lugares únicos,
sem largar da minha mão, apenas para me ver e sentir eufórica.

Eu quero alguém que tire meus cabelos da testa,
para que eu sinta o quanto sou admirada.

Eu quero alguém que me beije com ternura,
para me mostrar todo o amor que exala do peito.

Eu quero alguém que me segure na nuca e me puxe para si,
como quem quer colar seu amor dentro de si.

Eu quero alguém que pise de mansinho,
para deixar-me descansar quando a exaustão tomou conta de mim.

Eu quero alguém que tenha respeito por si e por mim,
e que saiba que sentimentos são laços de energia pura e bela,
e portanto devem ser manipulados com carinho.

Eu quero alguém que tenha dentro de si a fé,
porque sabe que é através dela que podemos ser felizes,
e, tendo fé, Deus abençoará nossos caminhos.

Eu quero alguém que não parta e não me parta,
só pelo simples fato de não ter controle com seu ego e suas fantasias.

Eu quero alguém que seja único,
assim como eu quero ser única para esse alguém.

Eu quero... e sempre vou querer.


NAMASTÊ

CAMINHANDO SUAVE

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)



Ando sem rumo num dia nublado de verão.
Simplesmente caminho suave, 
sentindo a brisa forte, mas quente.
Não tem dia melhor...

Me perco nos pensamentos,
fecho os olhos e sinto, só sinto o vento.

Nada parece ser mais perfeito,
do que o caminhar suave e refrescante.
Sem ter pressa, sem ter obrigação com o tempo.
Apenas a paz.

Meu peito parece estufar no prana morno,
e a mente perde pensamentos pelo caminho.
Sou livre, solta no mundo!

Algumas imagens da memória me fazer rir,
e deixo que meus lábios se curvem em direção aos céus.
Quero abrir os braços, deixar que o mundo me tome.
Sou leve, levada pelo mundo!

Alguns lugares cheiram ervas,
outros são perfumados pelas flores.
Caminhando suave posso me deliciar com a natureza,
posso recebê-la com todos os meus sentidos.

Pareço levitar, qual o sentimento de paz.
Gostaria de poder...
Pareceria uma fada pairando sobre a mata.

Caminhando suave eu encontro harmonia na vida,
respeito o meu próprio ritmo e ouço meu coração.
Sem pressa, agora apenas sentindo,
vejo que eu passo pela vida,
e não a vida por mim...!

NAMASTÊ

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

GRATIDÃO

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)



Qual será a hora certa de agradecer pela nossa vida? Normalmente fazemos isso quando o coração está leve e as coisas parecem estar justamente no lugar que gostaríamos que estivessem.

Mas, basta um desequilíbrio em algum setor, para enfraquecermos na fé. Nos achamos as piores pessoas do universo, sem sorte, sem dádivas. Pensamos que o outro sempre é melhor ou tem mais. Será que é assim?

A mãe que reclama da bagunça de seus filhos, terá a mesma felicidade que a mãe que o perdeu tão cedo? Gratidão por ainda tê-los por perto e poder apreciá-los.

O trabalhador que blasfema contra a empresa que trabalha, terá a mesma vida que o que não sabe o que fazer durante o dia, pois ninguém lhe dá emprego? Gratidão por este trabalho, por mais penoso que ele lhe pareça.

O carro simples que te leva a todos os lugares, mesmo sem o conforto necessário, pode ser o sonho dos que andam amontoados nos ônibus nos dias de frio e chuva. Gratidão pela ferramenta de transporte.

A roupa cara que alguém ganhou, mas que não gostou, pode ser justamente a que outra pessoa sempre sonhara, mas não pode ter. Gratidão por alguém pensar em mim.

Sentar à mesa e não apreciar o alimento que alguém fez para você, pode ser que muitos jamais vejam na sua frente, a não ser em revistas. Gratidão pelo alimento de toda hora e o que tiver para comer.

Ter a oportunidade de estar com pessoas que se ama e não aproveitar o momento, ficando trancado em seu próprio mundo, pode ser que na próxima vez você só venha para se despedir delas. Gratidão pelos momentos de união.

Perder um amor porque essa pessoa não te quer mais ou resolveu ficar com outra, pode ser a oportunidade que alguém muito melhor estava querendo para se aproximar de você. Gratidão pelo afastamento de quem não se importa conosco.

Não ter o suficiente para fazer viagens ou gastar muito, pode ser a chance de estar no lugar certo na hora certa. Gratidão por ter a guarda dos anjos.

Acordar cedo, ter que levantar e resolver coisas, pode ser tudo que alguém hospitalizado ou inutilizado queria. Gratidão pela saúde.

Cuidar de um doente exaustivamente, pode ser a maior forma de amor que alguém pode dedicar à outra pessoa. Imagine como o doente não gostaria de trocar de lugar com você. Gratidão pela força.

Ter uma família,um porto seguro, mesmo que cheia de problemas, discussão e rusgas, pode ser a companhia que muitos andarilhos e solitários gostariam de ter. Gratidão pela união.

Ser grato não quer dizer abnegar aos seus sentimentos. Ser grato é reconhecer que a luz pode brilhar em todos os lugares. E que podemos nos beneficiar dela, conforme nossa maneira de encarar a vida. Simplesmente por elevarmos nossa consciência no ponto de entendermos que os caminhos são diferentes, as vidas são feitas por nós e que não devemos, por mais tentador que seja, nos comparar aqueles que fazem questão de mostrar superioridade nas suas vidas.

Estes também tem problemas, tem dificuldades e momentos de dor. Só que se escondem atrás de suas próprias tristezas. É simplesmente uma forma de ser, de agir ou de não trabalhar seu orgulho.

Gratidão pela vida, por este momento e pelas palavras que intuitivamente me deixam passar...


NAMASTÊ






segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

MEUS OLHOS TE VÊEM

Autoria: Josianne L.Amend



Passava despreocupado pela ravina,
como se a morte não o preocupasse,
como se a lua não estivesse postada no céu.

Não sabia do destino, nem queria saber,
apenas caminhava, despreocupado,
com pensamentos longínquos e sem nexo.

Era apenas alguém ou se sentia assim,
nada de importância para o mundo,
dentro dele a solidão.

Seu andar era leve e descoordenado,
às vezes escorregadio...
Suspiros se misturavam a algumas lágrimas.

Percebia-se nitidamente que perdera alguém.
E nunca mais foi o mesmo,
ou não conseguira mais ser.

Todos os dias ele ali passava,
e não sabia que meus olhos o viam.
Se soubesse, talvez suas lágrimas cessassem,
seus suspiros fossem por outro motivo.

Mas a vida não diz como vivê-la, apenas vive!
E na minha inquietação , eu também sofria.
Ele jamais soube do meu amor,
e eu não tive coragem de expô-lo.

Queria gritar: meus olhos te vêem!
Mas a timidez me fez calar.
E o tempo passou, meu amor sufoquei.

Um dia resolvi ter a coragem de ir até lá
e mostrar-lhe quem sou e o que sou.
Esperei, esperei...
E na ravina, nenhum rastro, nenhum passo.
Nada do meu amor...!

Fiquei sem saber se ele tinha ido para as estrelas,
ou se encontrara uma estrela que o fizesse novamente brilhar.


NAMASTÊ

sábado, 20 de fevereiro de 2016

A VONTADE DE DESISTIR

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)



Quantos de nós já pensou em desistir? Sim, há uma culpa ou tormenta dentro de nós quando imaginamos tal coisa. Desistir... sair de cena! Pura e simplesmente porque tudo que tentamos não dá certo, o que sonhamos se perde pelo caminho, ou nos deparamos com pessoas que parecem vir ao mundo só para destruir o que você é, faz ou planeja.

Lemos muito sobre não desistir, ir em frente e dar a cara a bater, mas quando algo acontece, a nossa energia parece escoar por algum local da nossa alma. Tanto, que muitas vezes, nos deixa acamados, acabrunhados e sem vontade de olhar para o mundo.

A sensação na hora é de total desamparo e os questionamentos começam a fazer burburinhos dentro de nossa cabeça. Tantas perguntas, que você precisa estar sozinho, porque não dá conta de ouvir mais ninguém, nem mesmo a si próprio. Nesta hora, você acaba passando por antipático ou, para os mais julgadores, vítima.

A vida nos prega tantas peças que algumas pessoas acabam por sair totalmente de seu equilíbrio. Mas a que isso se deve, afinal? Por que não conseguimos lidar com certos erros, problemas e frustrações?

Acho que a resposta está na humanidade, pois ela é cruel. Nos sentimos intimidados quando não desenvolvemos todo nosso potencial, o chão a nossos pés parecem areias movediças e, aos poucos, vamos nos tolhendo da vida.

Estamos sendo eternamente bombardeados de adjetivos, dependendo do que exercemos ou não em nossas vidas. Hoje, você pode ser um "executivo" bem sucedido, bem posicionado na empresa, mas amanhã, se for demitido, será apenas mais um desesperado a procurar seu lugar no mundo. E, nesta hora, não importa quão bom tenha sido, os olhos dos outros são de puro desdém. E você tem que aguentar isso engolindo orgulho e todo o preconceito.

Mas este é somente um exemplo. Outras formas existem para nos tirar a alegria e a vontade de continuar. Uma das que mais fazem sofrer é a traição. Aquela que vem de pessoas em quem confiávamos e que por ganância, inveja, ambição, conseguem fazer com que você perca tudo o que conseguiu e as oportunidades que tinha.

Sem entrar no mérito espiritual e da lei do retorno, pois nessa hora nem isso nos consola, o declínio se inicia. E esta fase é, por assim dizer, muito doída e sem negociações. Talvez seja quando mais precisamos dos anjos na terra. E, quando eles não aparecem, muitos decidem por encontrá-los fora daqui.

Quando estamos bem, todo esse processo, visto em outras pessoas, faz com que tenhamos julgamentos errôneos. Nós somos seres complicados. E, a nova era, cheia de pessoas gratas por tudo, escondem tantas desilusões dentro delas, quanto qualquer outra pessoa. Isso me faz pensar no que somos e acreditamos. É fácil ser feliz quando tudo dá certo. Mas somos um castelo de areia, predispostos a doenças quando nos cegamos pelas injustiças da vida. Talvez os que desistem mais rápido são os que foram mais vistos, tinham o respeito por causa de um cargo ou que não se conformam com o abandono de um amor. Despencar das alturas pode ser insuportável. E o que mais o ser humano procura, seja lá quem ele for e que religião cultua, é estar nas alturas, ser idolatrado, seguido, invejado. Isso é muito triste, quando se trata de pessoas que não aceitam outros tentando ser alguém na vida e, sem nenhuma piedade, puxam o tapete de alguma forma, munidos de falsos moralismos ou buscando contaminar os outros com seus venenos bem destilados.

E, a vontade de desistir pode vir repentinamente, como também ir na mesma proporção. É como quando se está com muita sede. Se não achamos um copo com água logo, podemos desidratar. Mas, ao tomar esta água, nem pensamos mais no quanto ela estava sendo cruel para nosso corpo.

Se acreditamos num propósito maior das nossas vidas, apesar de todos os tijolos que carregamos, apesar de todo esforço que fazemos para nos sentirmos úteis a nós mesmos, não desistiremos até que as luzes deste teatro se apaguem e que nos impeçam de atuar novamente. Pode parecer vergonhoso cair, podemos nos sentir totalmente derrotados, demonstrar nossas fraquezas, mas isso faz parte de um crescimento interior, de um ideal maior que jamais conseguiremos definir.

Quanto mais dermos importância aos rótulos que todos os dias fazem questão de serem lembrados pelo marketing infeliz do planeta, mais nossas forças serão escoadas e talvez, nosso tempo de permanência aqui seja reduzido pelos nossos próprios temores e tristezas. O que se dizer a isso? A força e a decisão está somente em nossas mãos.


NAMASTÊ

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

SENTIR A INUTILIDADE

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)



O sentimento de inutilidade talvez seja o mais devastador. Ele dá vida ao desgaste emocional e corrói a esperança. Sentir-se inútil perante à vida ou a qualquer situação arrasa com nosso depósito de energia.

Quando o primeiro pensamento ao acordar é "mais um dia, e agora?" sem que exista a movimentação de atividade em uma determinada direção, sem que tenhamos o desprendimento para idéias que podem ser trabalhadas, sem que nos sintamos parte do mundo, tudo despenca. E, se não formos fortes o suficiente na fibra da alma e nos pensamentos positivos, tendencionamos às depressões.

A inutilidade pode ser vista de diversos focos. Não poder ter controle da própria vida em relação às finanças, ao amor, à família ou somente ao próprio caminho leva à sensação de que somos apenas supérfluo. E ninguém gosta de se sentir assim.

Queremos ter importância pelo menos para alguém no mundo. Fazer parte de um mundo que gira ao seu redor e você apenas o observa, sem que possa interagir de maneira a te dar alegria, satisfação e sustento leva a este sentimento.

O sentimento de inutilidade sai fora do nosso controle, pois está nas mãos do mundo, do destino. Queremos e não conseguimos. Tentamos e parece que tudo está contra nós.

Existe diferença entre ser inútil e sentir-se inútil. Isso deve ser esclarecido. Inútil é a pessoa que não busca, não quer aprender e nem fazer nada. Quer passar a vida sugando ou apenas atrapalhando quem quer crescer. Sentir-se inútil é carregar o peso de que, apesar de todo esforço, dedicação, estudo, busca, o mundo não te reconhece. O mundo se volta contra você e te rejeita.

É muito difícil tratar este sentimento, se não encontrarmos na trajetória estímulos que nos façam renovar esperanças e voltar a acreditar em si mesmo e no amanhã.

Quando chegamos num determinado grau deste sentimento, a saída é terapêutica. É buscar auxílio em ferramentas psicológicas e que possam dar todo o apoio necessário para que possamos novamente nos descobrir e reagir.

Não podemos ter controle das escolhas dos outros, do que eles acham ou pensam ao nosso respeito. E isso pode acarretar não sermos escolhidos, não sermos desejados, nem sermos levados a sério. Muitos profissionais apareceram para "ensinar" como você pode se sobressair perante os outros e não carregar o peso de se sentir inútil. Mas eles também concorrem ao desespero, não se iludam. O mesmo acontece com os grandes atores quando não são mais procurados para os grandes filmes.

E a sensação de inutilidade cresce com a idade, com as crises mundiais, com as doenças, com a falta de afeto e amor, com a falta de direcionamento na vida. É horrível sentir-se inútil e não poder salvar, não poder ajudar, não poder fazer melhor. Todos tem altos e baixos. E quando estão no alto, a sensação é oposta: a de poder, de orgulho ou de manipulação sobre a vida alheia.

Duvido que alguém, em algum momento de suas vidas, não se sentiu tão inútil perante uma situação, que não virou uma concha, perdeu amigos, desistiu de tentar e até pensou em terrível final para si mesmo. Isso é real, isso existe, principalmente porque temos a falsa sensação que somos donos de nós, mas somos parte de comunidades e governos e temos que exercer cidadanias e seguir regras, que muitas vezes escapam do nosso controle. Mais um motivo para o sentimento aflorar.

Desistir ou acreditar? Correr ou pagar para ver? A resposta está dentro de cada um de nós. E isso implica tudo que acreditamos, que aprendemos, que nos dedicamos e que somos. E mais que tudo, implica na força espiritual que existe dentro de nós. Quanto maior ela é, mais conseguimos superar este momento da vida. Mais acreditamos no propósito final.


Namastê




segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

TENTE VIVER

Autora: Josianne L.Amend(JosiLuA)



Somos parte de tudo e do todo. E, assim, como a natureza, temos dentro de nós os dias ensolarados, nublados, chuvosos e até de temporais. Ninguém é 100% sol, nem 100% chuva.
Tem dias que parecem ser levados pelo vento, outros simplesmente arrastados pelas tempestades.
Tem dias até que nossos olhos e o coração não conseguem ver o futuro, tamanha é a escuridão que toma conta de nosso ser.

Nos dias de sol, temos que aproveitar e levar a luz a quem precisa.
Nos dias de chuva, temos mesmo é que chorar e deixar que as lágrimas façam sua parte: a de lavar nossa alma.

Como na natureza, às vezes não queremos sair do ninho ou da toca. Outras, preferimos voar para bem longe e sentir a brisa conversando com a gente, num afago delicioso no peito.
Muitas vezes somos apanhados de surpresa pelos temporais, que chegam de repente e são avassaladores da alma. Não sabemos para onde correr e nem se alguém nos dará acolhida.
O jeito é aprender a se molhar e buscar abrigo onde a intuição sussurrar.

Sim, dentro de nós estamos sozinhos. Um mundo imenso e estamos sozinhos. Alguns conseguem suportar bem, mas a maioria apenas sufoca e guarda.
E, nos dias de sol, parece que nada aconteceu, pois estou sorrindo e consigo levar a vida numa boa. Mas basta um vento forte ou um dia mais nublado para que a alma se despedace e desate ao desequilíbrio, onde surgem oportunidades aos pensamentos ruins.
Somos seres complexos. E, cada vez mais, cheios de imposições sobre nossas vidas. Estamos sufocando aos poucos.

O que fazer então para continuarmos? Buscar sol...
Fazer coisas que nos façam ser feliz
Estar com pessoas que nos façam rir, pessoas que não sejam um tonel de negatividade, mas de força.
Se tiver que viajar para buscar o sol, viaje!
Se tiver que mudar de vida, mude!
Se tiver que se desfazer dos pesos que te incomodam, desfaça-se!
E se tiver que ficar só para colocar as idéias no lugar, fique!

A vida é isso: para alguns, 90 anos, para outros, apenas 10.
E durante o tempo que tiver, tem que fazer algo para que, pelo menos 50% da sua existência tenha sentido. Melhor se for mais.

Hoje, pode ser um dia bem nublado...então CHORE! Chore e fale com você mesmo, colocando para fora toda a frustração e medos. Tem que se dar o direito de ter sentimentos.

Depois, respire profundamente e tente viver...perdoando a si mesmo pelo tempo perdido. Porque, sim, você perde um tempo precioso quando não consegue ver o sol atrás das nuvens... mas também perde o equilíbrio quando sufoca os sentimentos que todos nós temos direito de ter.

Namastê