Google+ Followers

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

Coração Aberto

Quando decidi escrever me senti uma borboleta saindo do casulo. E junto com ela saíram os sentimentos e os pensamentos que muitas vezes não conseguimos transmitir. Descobri que ser poeta é opinar sem medo, escrever é desvincular-se de segredos e expressar-se é viver intensamente.

JosiLuA

segunda-feira, 13 de julho de 2015

DÚVIDAS DO AMOR

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)




(para os homens também serve esta história)


Uma mulher apaixonou-se perdidamente por um homem que julgava ser seu grande amor. Primeiramente o observava, depois sentira grande atração e finalmente seu coração entregou-se.
Começaram a compartilhar almoços, passeios e longas conversas. Encontravam-se constantemente em locais românticos como parques, cinemas e praias.

Mas, apesar de todo o romantismo e apêgo, não se decidiam por um relacionamento mais intenso. Ela não conseguia ir adiante. Tinha medos. Medos que impediam-na de abrir a guarda e deixar que ele fizesse parte de sua vida, literalmente.

Incomodada com a situação, resolve ir conversar com um sábio que morava sozinho nas montanhas. Mas, o que afinal, um homem solitário poderia dizer de tão importante para ela?

Após explicar a situação, o sábio apenas pede que ela o traga para conhecê-lo. E assim fez. Passaram-se quase seis meses de idas e vindas ao sábio e ela já começara a ficar irritada, pois nenhuma resposta obtinha, até que indagou:

- E então, sábio? Será que já tem uma opinião formada sobre ele?

O sábio olhou-a profundamente e disse:

- E você, depois deste tempo todo, já tem a sua opinião formada?

- Sim, disse ela. Mas gostaria de ter uma certeza em meu coração. Como obter isso? Vejo que ele às vezes é tão infantil.

- Mas também tão responsável, não, minha filha?

- Sim, mas às vezes ele diz coisas meio sem sentido.

- Mas também ouço-o a elogiando a todo momento.

- Sim, mas algumas vezes ele parece não me ouvir.

- Mas me parece que você não dá tempo dele pensar.

- Sim, sou muito ansiosa, sábio! Mas ele é tão desleixado em sua maneira de ser.

- Mas em compensação vejo-o protegendo-a e amparando-a em diversos aspectos.

- Sim, isso é verdade. Mas, porventura, tem mania de esquecer o que promete.

- Mas tenho visto a dedicação dele em te acompanhar sempre que vem aqui.

- Sim, mas ele é irritante, desajeitado com algumas coisas e um pouco ciumento.

- É, minha filha! Eu também o admiro muito e gosto dele. 

- Sábio, o que quer dizer com isso? Acha que devo ficar com ele?

E o sábio pacientemente explicou:

- O verdadeiro amor disciplina o coração das pessoas. Quem o sente consegue ter a paciência de entender, a generosidade de não oprimir aquela alma, a sabedoria para compartilhar carinho, respeito, companhia e conhecimentos e a maturidade para levar o outro sempre em ascenção, jamais o colocar em posição inferior. Defenda seu amor, se assim você sente que ele é.

- Devo ficar com ele, então, sábio?

- Minha filha, se até agora você não conseguiu deduzir se o que sente é amor, então siga seu caminho e deixe essa linda alma que, apesar dos defeitos que tem, tem muito para oferecer. E tente encontrar um homem que aceite você com todas essas incertezas, dúvidas e defeitos que também possui.

A mulher saiu de lá e  hoje ela é muito feliz casada com este homem, pois entendeu que as pessoas precisam se ajudar, principalmente nos relacionamentos.


(P.S. lembrando que não se deve deixar ninguém invadir o seu limite, a ponto de não deixá-lo viver)



Namastê

quinta-feira, 2 de julho de 2015

ENVENENANDO A VIDA

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)



Não é fácil estar em perfeito equilíbrio sendo constantemente borbardeados de pessimismo e tragédias. É fato que os acontecimentos atuais não são uma fonte de inspiração para se pintar uma vida perfeita. Mas também é fato que podemos exercitar nossos pensamentos a acreditar que pelo menos o tempo da nossa vida será aproveitável e feliz.

Estive a ponto de surtar, pensando no que será o futuro da humanidade. Sabemos que há um caminho perigoso sendo percorrido pelo homem. Tanto o homem que simplesmente se coloca na posição de alienado, quanto os homens que querem controlar tudo e todos. 

Porém, há os que ficam no meio disto tudo. Estes são os grandes lutadores, os que buscam, os que procuram e os que arregaçam as mangas, tentando tornar, pelo menos o mundo ao seu redor, um pouco mais habitável e satisfatório.

O veneno é facilmente dissipado na atmosfera através de veículos de comunicação, redes sociais, fofoqueiros e outras maneiras. Temos que ter cuidado ao ouvir e respirar. Não fazer disso nossa tristeza e medo. Pois são esses os efeitos colaterais desta perversa toxina. Nos transformam em seres traumatizados, cheios de pânicos e depressões, além de bloquear nossas forças e ânimos de vencer.

Realmente temos mais dificuldades do que em tempos de outrora ( ou não?). O que sabemos é que mais e mais pessoas estão envenenando a vida. Essa vida é minha e vou deixar isso acontecer somente se eu quiser.

Não sabemos quanto tempo temos na Terra. A certeza do futuro é nossa transição. Então, é de bom tamanho querer a felicidade, mesmo que ela não seja a realização dos nossos desejos. Viver cada dia é a chave para uma vida menos complicada. Criar motivos para observar o que de bom existe, o que nos faz rir ou até gargalhar, o que é presente do universo (mesmo que seja a flor que nasce no vasinho) pode ser uma solução para conseguir deixar nosso corpo seguir mais saudável, sem o estresse, sem enfartos e sem neuras.

Envenenar a vida é deixar que nós e os outros criem obstáculos para que deixemos de lutar, de sorrir, de pensar e de ser. Falar e não resolver não adiantará nada. É o mesmo que se alimentar sem comer. 

Será que podemos resolver toda a desgraça que existe no mundo sozinhos? É claro que não, mas podemos tornar o mundo ao nosso redor mais humano, razoável e feliz. Se todos fizessem isso, haveria uma emanação energética benéfica e, aos poucos, quem sabe, as pessoas começassem a agir melhor. Pessoas felizes costumam pensar melhor. Pessoas frustradas tendem a instigar a guerra.

Podemos bloquear o veneno de nossas vidas, simplesmente não permitindo que eles entrem em nossas casas, sejam companheiros dos nossos almoços e jantares, sejam telas de nossos aposentos. Experimente ver coisas belas e engraçadas. Isto não é ser alienado. É ser dono de sua vida e do que quer para ela. Ajude, cumpra seu dever, organize e planeje melhorar. Mas sem envenenar a si e aos outros com o bombardeio de palavras e ações infelizes e diabólicas do mundo.

Vamos vencer o mundo com nossa alegria, com nossa força! E para encerrar este texto, quero deixar um conselhor chinês que cabe bem para ilustrar isto tudo:



Namastê