Google+ Followers

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

Coração Aberto

Quando decidi escrever me senti uma borboleta saindo do casulo. E junto com ela saíram os sentimentos e os pensamentos que muitas vezes não conseguimos transmitir. Descobri que ser poeta é opinar sem medo, escrever é desvincular-se de segredos e expressar-se é viver intensamente.

JosiLuA

sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O CAMINHO SOLITÁRIO

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)




Parece triste, mas é algo infinitamente valoroso. Necessita mais atenção e exige dedicação completa.
Traçar um caminho solitário, sem que algumas pessoas estejam constantemente influenciando seu pensamento, me parece gratificante. Gosto de pensar que ele é, particularmente, aquele que nos faz realmente buscar.

Quando falo de caminho solitário, estou me referindo a todo aprendizado que colhemos dia após dia na jornada. E, se não colhermos, nos perdemos no caminho. Então, ele é de fato exigente e nos faz grandes observadores. Esse caminho é aquele que nos obriga a descobrir as coisas sozinhos, sem que precisemos de rituais pré-determinados, de clãs ou grupos de pessoas que digam o que fazer e como fazer. Liberta-nos de convenções e regras que muitas vezes, diga-se de passagem, só fantasiam a causa.

Nos detemos a leituras, pesquisas, observações e conversas com pessoas de mais sabedoria. Praticamos a meditação e a busca interior que, com o tempo, vai ajudando a desvendar mistérios e saber como agir em determinadas situações.

Não é fácil, mas é livre de imposições. O pensamento é intuitivo e as ações são, quase sempre, auxiliadas por seres espirituais. Trocar figurinhas pode ser interessante, mas não necessariamente uma imposição.

Não nos prendemos a dias, horários e locais para a realização de rituais. A sensibilidade diz o momento certo de agir, de buscar e de trabalhar.

Caminhar sozinho, sem fazer parte de algum clã, pode ser desestimulante, pois parece que alguns só acreditam quando se reúnem pessoas. A fé é o maior combustível para este trabalho. Ela faz com que você acredite em você. E, se ninguém acreditar, o que te sobra é a dignidade de ser realmente verdadeira. Porque para ser aceita em grupos, normalmente você acaba tendo que pensar e agir conforme o grupo.

Eu estou neste caminho solitário. Meus trabalhos são inspirados pelos meus guias, pelos seres da luz. E acredito que tudo que busco é indicado por eles. Tudo que faço é auxiliado por eles. E é para eles que deixo neste texto, minha eterna gratidão.

NAMASTÊ



quarta-feira, 22 de outubro de 2014

O PODER DE CRIAR

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)



Era uma vez um pincel que ficava jogado num canto, ainda com suas cerdas intactas, sem nenhum vestígio de tinta. Ele, obviamente, não sabia que poderia criar tantas imagens quanto suas cerdas suportassem. Não fazia idéia que se levantasse e fosse ao encontro dos seus sonhos, poderia pintá-los em sua vida.

Adormecido pelo tédio, vivia uma vida rotineira, sem agitar e sem pintar as cores em seu caminho.

Um dia, visitado por um ser espiritual, foi severamente acordado e levou um grande susto. A luz o ofuscava e perguntava com voz rude o que ele fazia que não estava cumprindo a missão que lhe fora dada. Ele não entendia ou simplesmente achava que não entendia, pois jamais tinha pensado profundamente naquilo.

A luz foi embora e deixou o pincel pensando com suas cerdas o que poderia fazer para melhorar a situação. Foi quando uma criança o encontrou e o tomou nas mãos. Levou-o para longe daquele canto já acostumado com seu peso e o apresentou à uma aquarela.

Era a primeira vez em sua vida que levantava para tomar um banho e aquilo refazia suas forças e lavava "a alma"! Logo se viu dançando com cores numa linda tela branca. Suas cerdas remexiam e ele se admirava com os formatos que apareciam. Estava se sentindo útil demais para desistir daquilo, apesar de cansado. O tempo de ficar parado o tinha deixado fora de forma, mas queria continuar.

Ao término de algumas horas de trabalho, percebeu o quanto estava bem e feliz. Afinal, sua missão estava sendo realizada. Ele estava ajudando a colorir e criar. Queria mais e mais. Almejava que no dia seguinte tudo continuasse e ele pudesse criar mais vida na vida de todos, mexer com a imaginação das pessoas e fazer tudo mais bonito.

Ele tinha encontrado seu caminho: criar! A criança continuou com o pincel por muito tempo ainda, criando novas paisagens, exteriorizando seus sonhos e pensamentos. O pincel estava realizado por fazer parte daquilo. Sabia que sozinho e sem força, talvez nada acontecesse. Mas com vontade e fé conseguiu ser visto e usado para fins que o deixaram cumprir sua atividade. O tempo passou, ele mostrou sua força e utilidade para o mundo e, ao se apagar, seu coração ficou vivo no coração dos que admiraram seu trabalho.

Esta é uma história para você analisar sua vida e pintar sua paisagem. Ou você fica sentado esperando o tempo passar, ou você arregaça as mangas e pinta seus sonhos, sua vida, de forma a colori-la da melhor e mais bonita maneira.

E, lembrando que sempre estamos sendo avisados pela luz quando está na hora de agir, de nos mexermos. Eles nos ajudam, nos empurram de alguma forma através de acontecimentos, amigos, palavras, frases, enfim de diversas formas. Se estivermos dispostos a ver e ouvir, encontraremos o rumo certo de nossas vidas. E, com o coração sempre aberto e os olhos voltados a Deus, saberemos distinguir o bem do mal e discernir o rumo certo.

A certeza é você ser feliz...

NAMASTÊ

domingo, 12 de outubro de 2014

A PESSOA QUE TE TRANSFORMA

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)


Este título surgiu em uma de minhas meditações, quando comecei a mentalizar pessoas que simplesmente mudam ao conviver com outras.

Algumas, com a graça de Deus, melhoram muito e outras, ao contrário se perdem totalmente. Isso serve para avaliarmos quão importantes são as companhias que escolhemos para conviver.

Sobre as que melhoram, não temos muito o que comentar, a não ser que elas receberam um presente ao terem a oportunidade de unir-se com alguém do bem, que as colocou no mesmo caminho.

Infelizmente, existem pessoas que mudam completamente ao encontrar companheiros ou amigos e com eles começarem uma convivência. Talvez não reparem que seus sorrisos viraram deboches ou que suas boas maneiras transformaram-se em grosserias.

Ao analisar o por que de tudo isso, imaginei coisas do tipo: medo, aflição, orgulho e falta de personalidade. Todos esses sentimentos podem surgir caso a pessoa se envolva de forma intensa e não consiga desvencilhar-se psicologicamente, convivendo num eterno jogo de parasitismo, onde uma suga a energia da outra.

Nosso sentimento de solidão é um dos mais responsáveis pela mudança de comportamento das pessoas. Quando alguém percebe que o outro é vulnerável, consegue administrar a relação fazendo com que seja submisso às suas idéias e atitudes.

A segurança de uma personalidade bem resolvida não deixa que outros o desviem de um caminho que você escolheu. Você só deixa se levar pelas belas palavras de alguém, quando está mal resolvido e infeliz.

Algumas pessoas tentam de todas as formas criar vínculos com outras a fim de sugar sua energia e tirar delas o direito de decidir. Então elas mudam. Ao estarem em companhia destas pessoas, ficam nervosas, sem graça e sem opinião. Procuram sempre estar escondidas ou não dizer o que vão fazer, para que os outros não possam contradizê-las. As pessoas que sentem vazio interior tendem a se deixar dominar por seres de forte opinião e que podem as levar a vários erros.


Já vi pessoas que são extremamente alegres sozinhas e ao encontrarem alguém dominador ficam nervosas e respondonas. Por qualquer motivo ou pergunta feita a elas, retrucam com nervosismo e arrogância.

É triste saber que alguns se deixam dominar totalmente por causa da solidão. Não admitem isso, mas são pessoas frustradas sentimentalmente e que têm medo de se ver novamente sozinhas, se jogando em relações vazias e sem nenhum futuro, a não ser o de ser um eterno dependente.

Existe uma grande diferença entre concordar algumas vezes e ter uma relação de troca e estar sempre com medo de perder o outro, dizendo sim a tudo, tornando-se cada vez mais infeliz e distante, não só das pessoas que antes o rodeavam, mas de si mesmo.

O problema maior de tudo isso é que chegará a hora em que a pessoa manipulada não saberá mais quem ela é, ficando sem opinião alguma e só em prol da vida interligada ao manipulador. Cabe a cada um que se sentir assim, analisar friamente sua vida e seu Eu Interior que, com certeza, estará lhe dizendo ou até gritando para você se libertar e enxergar de vez o seu caminho.

Observe melhor suas relações, para que você não seja controlado por alguém, pois isso pode tirar você do caminho que veio percorrer no mundo, além de tirá-lo das pessoas que realmente o amam.

NAMASTÊ

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

QUEM GARANTE


Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Quem garante que todos que eu encontro na rua são humanos,
quem garante que a tua palavra jamais vai se romper?

Quem garante que a luz das estrelas um dia não se apague e
quem garante que teu amor por mim jamais vai se perder?

Nenhuma garantia tenho dos dias que ainda viverei,
nem ao menos sei o que se passará após meus olhos adormecerem.
Nada sei sobre cada passo que eu der, onde de fato eles me levarão,
nem ao menos sei se onde quero chegar, chegarei.

Quem garante que amanhã eu verei novamente o sol e
quem garante que a tua luz brilhe mais que a minha?
Quem garante que o sabor que sinto na fruta,
seja o mesmo que você experimenta?

Nada sei de garantias nesta vida, apenas levo o destino na palma das mãos.
Por onde ando, garanto que risco meu caminho,
mas não garanto que esse risco seja o caminho certo.

Quem se garante como ser digno, honesto e amável por toda a vida?
Quem garante que ao olhar no espelho a gente veja o que realmente é?

Quem pode garantir que essa seja mesmo a realidade ou
quem garante que tudo isso não seja a grande ilusão?

Quem garante que você está correto em seu pensamento,
se nem ao menos analisa os acontecimentos, simplesmente os aceita para sua própria ventura?

Quem garante que amanhã o vento não varra tudo na passagem,
inclusive a nós que viraremos miragem?

Quem garante que as palavras sejam tão profundas e sinceras,
que possam encantar e modificar o que há dentro de nós?

NAMASTÊ
 

sábado, 4 de outubro de 2014

DA BOCA PRA FORA

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)


Como é fácil falar e mostrar o que realmente não se sente.
O sentimento que nos afoga o peito quando estamos frustrados chama-se despeito.
Tal sentimento barbariza tudo que de bom havíamos vivido.

Roteiro certo dos rompimentos, sejam amorosos ou profissionais, o despeito faz com que o desapontamento, tão dolorido, seja camuflado de maneira enganosa.

A facilidade da comunicação hoje em dia, faz com que nossa ansiedade seja extremada com relação à vontade de expor situações e palavras, a fim de cutucar o outro numa provocação.

Isso normalmente acontece, quando dentro de nós ainda temos sentimentos por determinada pessoa ou lugar. E para não nos sentirmos inferiorizados, após termos sido afastados, a explosão de sentimentos mesquinhos acontece.

Para todos que veem tais manifestações, é óbvio que estamos despeitados. Parece que só nós não enxergamos isso, sofrendo ainda mais com essa afeição rejeitada. Insistimos, então,  na divulgação de fotos e palavras onde aparecemos de maneira feliz, na tentativa somítica de criar ciúmes e alertar para a perda.

Nossa autoestima está tão baixa que não conseguimos focar em nossas vidas. Passamos o dia refletindo sobre como atacar o outro, a fim de conseguirmos o que pensamos ser uma pobre vingança. Mal sabemos que nosso tempo e energia está sendo desperdiçado com vãs atitudes e que ainda, mereceremos o título de infantis.

O coração não nos engana, o que nos engana é nosso pensamento. Apesar de dizermos a todos que aquilo não está mais nos afetando, nem nos nossos planos, nosso coração fica doendo e o jogo continua num eterno conflito interior.

O melhor mesmo é sermos donos de nós. Se sofrermos, sofremos até onde puder, para que não nos destrua. E também não devemos destruir a paz do outro. Pode ser que ainda haja uma oportunidade de retorno.

Lembram da velinha de bolo que mesmo assoprada, acende novamente algumas vezes? Isso pode acontecer em nossas relações. Só que ela se apaga realmente quando supriu todas as tentativas de reacender ou apaga quando alguém resolve apertá-la com os dedos molhados. Essa ação representa bem o que fazemos com o que ainda poderia dar certo. Irritamos, provocamos tanto outra pessoa com atitudes e palavras infelizes que apagamos de vez a vela da relação.

Sabemos que é difícil nos conter por causa da nossa autoestima. O melhor mesmo é deixar que o tempo mostre se ainda haverá retorno. Às vezes, insistindo em algo tão complicado, estaremos atrasando o aparecimento de alguém ou de uma nova oportunidade, que possa reacender nossa vela.

Portanto, segure sua boca o máximo que puder, porque o grande lance é estarmos de bem com nós mesmos e deixarmos que o curso do rio encoste galhos e sujeiras, para que nossas vidas possam fluir tranquilamente.

NAMASTÊ

AO IR EMBORA

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)



Não leve embora a alegria que iluminava os dias
Não leve embora a energia que movimentava a vida
Simplesmente se vá, se quer ir,...

mas não leve embora a vida que brilhava todas as manhãs.
Não me deixe sem chão, sem saber o que fazer ou no que pensar.
Simplesmente me deixe, mas não leve embora minha paz.
Não carregue consigo os tesouros de meu caminho
eu te deixo ir, com toda a paz que puder sentir.
A busca é imensa e o que construí foi árduo,
mas deixe-me saborear os sentimentos sem destruí-los.
Vá, procure seu caminho,
e não leve embora o que não pertence a você.


NAMASTÊ