Google+ Followers

Total de visualizações de página

Pesquisar este blog

Coração Aberto

Quando decidi escrever me senti uma borboleta saindo do casulo. E junto com ela saíram os sentimentos e os pensamentos que muitas vezes não conseguimos transmitir. Descobri que ser poeta é opinar sem medo, escrever é desvincular-se de segredos e expressar-se é viver intensamente.

JosiLuA

quinta-feira, 12 de julho de 2018

A MEDITAÇÃO

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para MEDITAR

Creio que este tema é bem discutido e abordado por diversas pessoas e filosofias. Na minha opinião, podemos ensinar posições e maneiras, mas cada um deve buscar dentro de si a melhor maneira de aquietar-se. Alguns tem mais, outros menos dificuldade. A questão é que se você não insistir e, devido ao mundo agitado de hoje, não irá "acostumar-se" ao seu momento de quietude e plenitude.

Eu comecei a meditar a mais ou menos 20 anos atrás. Quando falo isso me parece absurdo que já sentei em posição de lótus tantas vezes. Tive por dois anos um grupo de mulheres interessadas em aprender a meditação. Além disso, discutíamos diversos assuntos e buscávamos o relaxamento. Infelizmente, o grupo se desfez por vários motivos, entre os quais a falta de tempo de cada uma. 

Na verdade, a primeira regra para se meditar é ter o tempo e fazer dele algo sagrado e constante. Só assim conseguiremos atingir a perfeição na meditação. Encontramos tempo para tudo na vida, quando queremos de verdade. O "não ter tempo" é uma grande desculpa para não fazermos o que não temos tanta vontade e ânimo. Essa é a grande verdade!

Hoje pela manhã, quando me sentei para meditar e iniciei o processo, constatei o quanto acalmar a mente nos traz pensamentos diferentes daqueles que normalmente temos. Já sabia isso faz tempo, mas a sensação hoje foi intensa. É como se realmente eu devesse escrever sobre isso, para que todos pudessem entender o real significado de ampliar nossa consciência.

Informações vem de forma abundante e tranquila sobre assuntos que estamos passando. Parece tudo mais óbvio e claro. Não sei se os "meditadores" de plantão por ai sentem o mesmo. Mas o meu processo sempre foi esse ao meditar. Parece que eu entro dentro do meu cérebro ou no cérebro do universo e consigo visualizar as respostas para meus anseios. Isso é simplesmente magnífico.

Prova para mim que, se tivéssemos mais silêncio, mais cautela, mais respiração, poderíamos agir melhor e cometer menos erros. Com o passar do tempo, a meditação me ensinou a ter mais paciência e a me calar. Sempre quando somos testados pela irritação da vida, nossa primeira atitude é a reação no mesmo grau ou até em maior escala. Isso causa briga e desconforto. Parece ridículo o que vou dizer agora, mas respirar e voltar-se para si, sem levar adiante o que chamamos de nossa razão, pode ser o melhor prêmio para nosso corpo e saúde. 

Meditar me ensinou o EU SOU. E devo dizer que é melhor ter paz, do que ter razão. Não vou dizer que às vezes, quando me deparo com pessoas irritadas e prontas a atacar, não sinto o desequilíbrio em meu corpo. Tremo, choro e sinto raiva. Mas deixei de atacar com gritos e palavras. Prefiro chorar em uma meditação, tentando o equilíbrio dos meus corpos. A meditação relaxa e, aos poucos, vai nos transformando em pessoas que simplesmente "descartam" o peso que não querem para si. Isso não significa que nos tornamos imunes aos sentimentos, apenas que conseguimos dominá-los melhor.

O rumo das nossas vidas todos sabem. Então por que não seguir num caminho onde cada dia tenha algo bom para ser lembrado? Não pense que vai deixar sua mente em branco ao meditar. O que vai acontecer é você conseguir acessar locais em seu cérebro amortizados pelos pensamentos e atividades em excesso. E isso mudará sua vida, seu corpo, sua saúde. Não medite com pressa, não vai adiantar.

A paz que o corpo sente durante o processo de meditação é tão intensa que nos habituamos à ela e não queremos mais deixar de sentir. Temos tudo em nossas mãos para sermos melhores. A questão é querer. Portanto, busque seu tempo, seu altar, seu lugar e comece a meditar. No mínimo você estará colaborando para aquietar um pouco a mente universal, já que nossos pensamentos formam uma teia claustrofóbica ao redor da Terra, alimentando os menos preparados.

(fico à disposição para conversar sobre o tema, para quem se interessar)

NAMASTÊ

quarta-feira, 11 de julho de 2018

FRIO CURITIBANO

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para frio DE CURITIBA


Hoje acordei as 4:45 h ( como sempre, diga-se de passagem) e imediatamente fui olhar quantos graus fazia. Dentro da minha casa, 3. Minha filha, que mora num local mais baixo, 1 grau. No caminho para o trabalho, a geada no capim verde se faz presente. Nariz gelado, luvas nas mãos e a sensação de que nada esquenta é bem típica na cidade de Curitiba. 

Estamos no inverno e a capital mais fria do Brasil é minha amada cidade natal. Não fosse pela população que ainda não tem bom senso, seria a cidade perfeita. Arborizada, limpa e de um povo trabalhador. É claro que hoje em dia, com a miscelânea de migrantes em busca de melhores condições de vida, a cidade perdeu em parte suas características mais fortes: a personalidade do povo.

Voltando a falar do nosso frio, olho para fora e vejo um céu límpido no amanhecer. Com os primeiros raios de sol e o céu azul, sem nenhuma nuvem, já sabemos que vai esquentar aos poucos. E o efeito "casca de cebola", conhecida dos curitibanos, provavelmente será a ordem do dia. Saímos de casa parecendo umas bolas de lãs e casacos e, no final da tarde, acabamos tendo que carregar tudo nos braços. Mas aqui podemos saber bem o que é verão e inverno. E nosso corpo sofre com as alterações térmicas. Mesmo assim, temos diversidade nas roupas e isso é bem bonito.

Quando temos a felicidade de um dia de sol, o frio se torna interessante em todos os sentidos. É gostoso caminhar no parque coberto de geada, ou sentar num boteco e se deliciar com um chocolate quente. Porém, se o frio vem com chuva, aí precisamos ter paciência, pois se torna úmido.

O frio de Curitiba é diferente! Ouço muitas pessoas que vem morar para cá falarem que o frio é terrível, que o povo é gelado, que isso e que aquilo. E me pergunto: - e o que continuam fazendo aqui? Acho que as pessoas devem buscar uma vida feliz e não sentirem-se amargurados onde moram. Nosso frio é tenso, concordo. Mas faz parte da natureza de onde nos situamos. Quem não gosta, faz um favor aos curitibanos indo embora. De mau humorados já chegam os próprios curitibanos. Mas nosso mau humor é genético. Somos filhos de imigrantes europeus e aprendemos a ter regras e uma educação rígida. Até que estamos melhorando. Mas eu gosto da nossa discrição e desconfiança.

Talvez alguns passem a vida sem saber o que é um edredon ou vários cobertores peludos fazendo peso na cama. Existem cidades no sul mais frias, inclusive com neve. O sul é assim, cheio de beleza e diversidade de clima. Temos um verão maravilhoso e um inverno rigoroso. E isso não é bom? Tem gosto para tudo e para todos, nas roupas, nas comidas e nos relacionamentos.

Sim, é difícil colocar o pé para fora da cama de manhã. A vontade é ficar aninhado. Mas a vida segue e o sol lindo começa a mandar os raios entre as frestas da cortina e estimula a vida. E podemos nos deliciar no café quentinho, na torrada e queijo derretido, na fruta fresca. No frio, a comida tem mais sabor. A gente vê a fumaça saindo das panelas e saborear nosso delicioso pinhão é a típica vida do curitiboca. Não gosto da expressão "da gema", porque não somos pintos. Prefiro dizer que o curitibano é da alma. Porque quem nasce em Curitiba tem dentro de si muitos humores, uma variedade de expressões e muita imaginação.

O frio nos abraça e nos faz encolher, talvez. Mesmo assim, nosso frio é simplesmente a sensação de que, mesmo debaixo de tanta roupa, continuamos a ser nós mesmos, com a alma de quem quer e luta pela vida intensamente. O verdadeiro curitibano é, sem dúvida, a alma desta cidade.

NAMASTÊ


terça-feira, 3 de julho de 2018

DO QUE SE ESCONDE?

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Imagem relacionada


Por mais autênticos e confiantes que tentamos parecer, nada é tão obscuro e incógnito como nossa alma. Lá se escondem tantos segredos! Segredos de toda uma vida e de tudo que passamos, ouvimos, sentimos, falamos e vivenciamos. 

São falsos perdões que, apesar de falados, nunca foram esquecidos os fatos e pessoas. São pessoas que nos humilharam, que nos abandonaram sem explicação, que nos traíram pelas costas. São palavras que nos feriram profundamente, atitudes inesperadas de quem amamos ou amávamos, incompreensões, deboches, mesquinharias e apelos não atendidos. Tudo com um toque de mágoa, de ressentimento ou até de raiva. O tempo passou, dizemos não mais nos importar, mas basta vivenciar o passado para aquele segredo encrustado na alma reaparecer, trazendo com ele tristes lembranças.

Muitos dizem que enterraram seus defuntos, mas na verdade eles são zumbis adormecidos. Notamos isso quando vemos alguém contar suas histórias do passado, sempre culpando alguém pelo próprio sofrimento e dor. 

Estes sentimentos escondidos, se não forem devidamente trabalhados até realmente saírem de cena, com o tempo trarão suas consequências. E elas se manifestam de diversas maneiras, conforme cada pessoa.

Se você começa a engordar exageradamente, pode estar deixando-se inflar por problemas e situações que te incomodam, mas que não sabe bem como sanar. A ansiedade toma conta e a saída é buscar a satisfação em algo prazeroso como "comer". Repare que muitas vezes nem tem fome, mas o ato em si de mastigar parece tentar empurrar cada vez mais fundo, suas decepções e tristezas.

Se você adoece de repente, deve se dar conta de algum processo mal resolvido em sua vida. E, dependendo do caso ou assunto, a doença irá se manifestar em órgãos ou locais predestinados. É muito interessante fazer uma análise dos confrontos ou fatos inesperados que passou. Através disso, poderá buscar auxílio com pessoas especialistas em somatizações.

Se você se esconde através da depressão, obviamente quer fugir de si mesmo. Não se esforça para reagir ao mundo ao seu redor. Prefere voltar ao casulo e talvez nunca mais voltar a ser borboleta. E o que isso resolveria para sua vida, afinal? Talvez seja seu orgulho tão inflado, negando-se a responder perguntas e a descer alguns degraus. Já parou para analisar que além de perder a graça pela vida, também está deixando o tempo tomar conta do que deveria ser o resgate para novas pessoas, idéias e acontecimentos?

Se acha que escondendo a antipatia que tem por alguém, fingindo pertencer ao grupo de pessoas que puxam o saco dela, isso vai lhe dar felicidade e alegria, está enganado. Pertencer a grupos sociais, mesmo sabendo que tudo é supérfluo, frio e cheio de mentiras, pode lhe render outras tantas séries de doenças. Frustrar-se com seu meio, sua vida e as pessoas ao seu redor não é a melhor saída para ter uma vida ampla e feliz.

Esconder-se através de sorrisos amarelos e contos de fadas também não leva à tranquilidade. Vejo pessoas que respiram profundamente ou apenas fingem não te ouvir, se resolve contar algo alegremente, mas que elas não podem fazer ou ter. Inveja, ciúmes e pensamentos ruins se escondem por baixo de falsos abraços, elogios soltos no ar sem amor e desatenção. O problema está em quem se esconde por trás disso, sem se contentar pela felicidade de alguém. 

Enfim, o mundo está mudando e existe pessoas dispostas a se autoconhecer e praticar maneiras de ampliar sua auto-cura. O que faz alguém não entender que a palavra de ordem é: BUSCA.

Se sentirmos um desequilíbrio em nós, percebendo-nos angustiados, enraivecidos, ciumentos, agressivos ou qualquer outro sentimento que nos faça seres emburrados e chatos, algo está se escondendo dentro de nós. E temos que ser suficientemente humildes para essa busca, conseguindo um estado de plena cura. Porque há mais dentro de nós, do que apenas sentimentos ruins. Há amor, paz e luz.

NAMASTÊ

VIAGEM MENTAL

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Imagem relacionada


A imaginação é uma coisa fantástica! Ela nos ajuda a relaxar, se vemos imagens felizes e que nos fazem bem, ajuda a trabalhar o cérebro nas lembranças e também na cura. Sim, ela cura devido às descargas de serotonina, que nos tranquiliza e mexe, inclusive, com nossa maneira de respirar.

Vou levar você agora, querido leitor, a um mundo imaginário e quero que tenha toda liberdade para criar dentro deste mundo. Normalmente, imaginar com os olhos fechados é mais proveitoso, mas como quero que leia e entre comigo neste universo paralelo, você pode, vez ou outra, respirar, fechar seus olhos e ir imaginando.

Resolvi criar um enorme espelho. O encontrei perdido por ai. Ao tentar limpá-lo, caí para dentro dele e, imediatamente, senti uma mudança na temperatura corporal. Parece que tudo é perfeito, nem frio, nem calor demasiado. Apenas um mormaço suave. Olhei ao redor. Um lindo bosque, cheirando a carvalho e incrivelmente suave odor de canela. Tudo parece mais doce. Salivo. 

Começo a caminhar, lentamente, sentindo que meus pés estão descalços. A energia telúrica é sentida sob a sola dos pés, percorrendo meu corpo como se fosse um choque elétrico, mas tão suave que me faz ficar em plena paz. A vegetação é uma pouco alta e dourada. Chega, mais ou menos, na minha cintura. Não tenho medo. O brilho dos raios de sol nela parecem ornamentar a vida de proteção divina.

Ao tocar as plantas, pequenos seres voadores começam a se manifestar e, rapidamente, me vejo envolta de asas transluzentes caminhando comigo. É como se o mundo me abrigasse em seus braços. 

Nada me incomoda, faço parte deste todo. Mais à frente, a vegetação se transforma num lindo gramado que se estende ao lado de um riacho transparente, vindo de um pequeno fio de água que cai de uma altura absurda, causando uma fumaça de gotículas coloridas, formando um lindo arco-íris.

Não resisto e me desnudo. Também não me incomoda minha nudez. Sou apenas um corpo sem uma camada, mais natural, menos pudica. Ao entrar na água, embaixo do arco-íris, percebo que meus pés flutuam e que lindas asas se abrem nas minhas costas. E eu me transformo. Ao deixar minhas vestes para trás, sem vergonha e medo, entendo que meu casulo também foi deixado e agora, transmutei num ser melhor, deixando para trás qualquer sentimento ou força que não me deixava evoluir espiritualmente. E eu vôo! Brinco com milhões de outros seres voadores e me espanto ao ver, lá embaixo, meu próprio eu sorrindo e acenando.

Percebo que há muito mais além do que o corpo físico. Estou encantada com tanta beleza e sentimentos de paz. Fecho os olhos e deixo-me sobrevoar montanhas, riachos e planícies. Ao abrir meus olhos, uma imensa águia está ao meu lado e, por incrível que pareça, ouço o que ela me diz: siga-me! Assim o faço. Ela me leva para o alto de uma colina, onde pairamos para observar o prana sutil e brilhante sobre aquele lugar. Ela me fala de muitas coisas, inclusive sobre o orgulho que não deixa a liberdade ser presente na vida da humanidade. Diz que quem tem orgulho demais, não aproveita a vida completamente. E que o medo nos faz regredir. Entendo o que ela me diz e agradeço.

Salto para um vôo rasante sobre a terra e, batendo rápido as asas, pouso ao lado do meu próprio corpo. E me abraço, olhando profundamente em meus olhos. Tão profundamente que consigo ver minha própria alma. Este lugar é mágico e curador. E, ao mergulhar no meu mais profundo ser, volto a ser várias camadas numa só. Só que agora, sinto dentro de mim as asas e ensinamentos, os quais jamais quero perder.

Respiro profundamente e me deito no capim cheiroso, coberto de minúsculas flores coloridas, criando um verdadeiro tapete bordado afofado. Quisera ficar ali para sempre, mas sei que preciso passar adiante tudo que aprendi e ganhei. Porque a vida é isso: compartilhamento!

Fecho os olhos e adormeço. E, ao acordar, sentindo meu corpo pleno e aquecido, estou novamente fora do espelho que, inesperadamente, deixa de mostrar minha imagem, refletindo apenas...luz!

NAMASTÊ

quinta-feira, 28 de junho de 2018

COMPARANDO O AMOR

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Imagem relacionada



O amor é palpável, é visual ou algo que podemos guardar?
O amor é sentimento, é imaginação ou qualquer coisa que não se explica?

Pois o amor é como a lama,
se entrar nela vai sentir ela colar em você, 
e por mais que tente sair dela, gruda.
Mas ela massageia, é, até certo ponto, saudável e nos faz parecer crianças.

Pois o amor é como uma grande árvore,
vai acolher-nos contra o sol forte, 
abrigar-nos de ventos e tempestades,
e deixar-nos descansar e refazer energias encostados em seu tronco.

Pois o amor é como uma borboleta,
que voa livre, buscando a seiva em cada flor.
E de cada flor recebe o suficiente para sobreviver,
para poder abrir asas e mostrar toda sua beleza.

Pois o amor é como a mata fechada,
sinistra, silenciosa, mas causa enorme curiosidade.
E ao entrarmos nela, poderemos sentir seu perfume,
observar sua diversidade e nos encontrarmos em paz.

Pois o amor é como um passeio de barco,
onde podemos ter medo do mar, do rio ou do lago.
Mas conhecer a sensação nos faz testar a viagem,
e nela, sentiremos que o brilho do sol na água e o frescor da brisa,
fazem a perfeita combinação de felicidade.

Pois o amor é como o soldado na guerra,
morrendo de medo do que possa surgir de repente,
mas confiante de que está dando o melhor de si,
para que alguém no mundo se sinta seguro.

Pois o amor é como uma viagem ao espaço,
uma contagem regressiva que perturba qualquer mente,
o medo tomando conta de todo corpo,
mas ao estar lá, visualizando a vida, deve ser magnificamente recompensador.

Pois o amor é como o todo no nada,
onde nos vemos perdidos nos encontrando,
nos sentimos doentes na cura,
nos percebemos cegos olhando para tudo,
nos alimentamos do que não nos engorda,
nos refrescamos no calor da sensualidade,
nos perfumamos no cheiro de alguém.

O amor é assim..
O paradoxo do que tentamos definir.

NAMASTÊ

sexta-feira, 22 de junho de 2018

PELO AMOR OU PELA DOR

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para PELO AMOR OU PELA DOR


Escolhas podem ser fáceis, como também difíceis. No contexto, temos que analisar o que nos fará mais ou menos felizes, mais ou menos satisfeitos, mais ou menos orgulhosos de nós e assim por diante. Quando ouvimos histórias das pessoas e suas vidas e nos perguntamos por que agiu de tal forma, ou por que fez aquilo ao invés de fazer isso, estamos julgando as escolhas de cada um. Talvez nossa escolha em determinado processo pudesse surtir um efeito melhor do que o daquela pessoa. Mas, como saber?

Parece que o mundo vai se ajustando como uma engrenagem, conforme os produtos nela colocados. Ora esmagam e destroem, ora se harmonizam perfeitamente. Então, as ações de cada um podem tanto se encaixar, quanto estraçalhar todo o processo.

O que é interessante é que algumas pessoas reclamam de suas vidas, mas não percebem que estão num caminho de dor. Não é que suas escolhas sejam erradas. O que não está funcionando talvez seja a forma de lidar com as situações e os meios pelos quais agem para se chegar na solução. A escolha pela dor envolve sempre uma responsabilidade maior pelos seus pensamentos e atos. E o desfecho, até pode ser o buscado, mas a trilha escolhida é cheia de espinhos, tristezas e dores. 

Essa dor compreende atitudes que possam prejudicar tanto a si, quanto aos outros. É tipo o caminhão carregado de pedras, que despenca ladeira abaixo levando tudo pela frente, não se importando com que ou quem está no caminho. A única coisa que quer é chegar no fim, mesmo perdendo algumas pedras. Só que ao chegar e olhar para trás, deixou um rastro de dor, perdas e infelicidade. Quem não liga para seus rastros, continua errando a cada novo caminho.

Podemos agir pelo amor e aí, tomando o mesmo exemplo do caminhão, agiríamos da seguinte forma: desceríamos a ladeira bem devagar, observando tudo ao nosso redor para que nada, nem ninguém esteja no caminho e possa ser atropelado, freamos quando houver necessidade e até paramos um pouco se algo cruzar de repente. Acenamos para alguns, sorrimos para outros e percebemos o mundo à nossa volta. 

Será que conseguimos sentir a diferença? Tome esses casos apenas como figurativos e os transporte para suas vidas profissionais, amorosas e pessoais. E analise como está carregando seus pesos. Se tem vontade de jogar tudo nas costas de outros, ou se apesar de pesado e cansativo, ainda se esforça para que seu mundo seja melhor e menos penoso.

Alguns não conseguem se separar do seu mau humor. Não fazem nada para melhorar a si mesmos como pessoas, nem o mundo ao seu redor. Isso é escolher a dor, pois a empatia se fará com pessoas também mau humoradas, chatas e sem paciência. É assim que transformamos nossos filhos e família num grande mar de pessoas infelizes. Ao passo que se estivermos com um problema pessoal, cansados, mas tratarmos quem está ao nosso redor de forma amorosa e paciente, teremos apoio e amizades suficientes para sermos ajudados, amados e até mimados. Simplesmente porque as pessoas não tem culpa das nossas escolhas.

Estamos num mundo de dualidades: céu - inferno, homem - mulher, amor - dor. Temos escolhas, pois somos seres livres. Acontece que nem todos se importam em melhorar a si mesmos. Só querem saber de ter uma vida boa, seja lá como for ou por que meios consigam isso. Como disse anteriormente, pode-se chegar ao objetivo das duas formas. Mas dormiremos melhor se, ao olhar para trás, virmos um caminho de luz, alegria e limpo. 

E não consigo entender como alguns seres humanos ainda não acordaram. Estão na sua caixinha escura, não se importando com ninguém, nem com o mundo ao seu redor. E agem em uníssono com a dor de prejudicar, de maltratar e de trazer para si toda consequência envolvendo sofrimento e medos.
Mas o que me alegra e me dá paz é que, por outro lado, tantos e tantos estão na busca de seu próprio conhecimento, externando sentimentos de grandeza e dignidade, transformando não só a si mesmos, mas todos aqueles que cruzarem seus caminhos.

Pois, escolhas, meus queridos leitores, são as mais belas ou terríveis ações que podemos demonstrar do que nós somos. E estas são como estampas em nossas almas.

NAMASTÊ


terça-feira, 19 de junho de 2018

ACHO QUE SEI

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para SABER TUDO

Não sei exatamente se sei,
mas talvez nem saiba.
E o que importa, afinal?
Saber tudo ou de nada saber?

Acho que sei um pouco,
mas perto do tudo não sei nada.
Acabo sem saber se um dia saberei
como o todo é muito para mim.

Mania de querer saber de coisas que não me dizem respeito!
Ou será que dizem?
Como saber cada vez mais,
se não ousar saber do que para mim é obscuro e complicado?

Acho que sei como é o final da história,
talvez nem acabe, talvez seja só reticências.
E como saber se o que eu vivo é real,
ou apenas parte de um plano imaginário?

Acho que sei...
Talvez seja um vulcão dentro de nós com erupções periódicas, 
que nos faz acordar.
Acordar para a vida, para o amor, para nós!

E talvez o saber seja só parte, ou seja arte
engajada em abrir portas para outras dimensões.
Acho que sei que nunca terá fim, sempre será eterno.

Mas não sei se isso é relevante,
para a vida que se abre em nós.
Talvez seja só um momento, 
talvez um pensamento
ou quem sabe, apenas renascimento.

Não sei.... ou acho que sei,
mas agora, prefiro não saber.
Só viver!


NAMASTÊ



sexta-feira, 15 de junho de 2018

DESCARREGANDO ERRADAMENTE

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para ALIVIANDO O ESTRESSE

Todos nós somos energia e nosso pobre corpo físico vai se sobrecarregando dela, conforme as situações em nossas vidas. Ao entender e aceitar que existem formas simples e saudáveis de descarregar essas energias, que às vezes não são nada simpáticas à nossa saúde, estaremos nos protegendo de surtos e estresses desnecessários.

Ontem o dia foi cheio dessas energias que aparecem do nada e que bloqueiam nossa respiração e pensamento. Quando isso acontece, a vontade mesmo é de gritar, sair correndo ou pior, extravasar na primeira pessoa que, inocentemente, aparece em nosso caminho. E quantas vezes fazemos, sem pensar, essa última opção?

Uma das melhores coisas, senão a melhor, que precisamos aprender, é respirar. E como é difícil se concentrar na própria respiração, quando o sistema nervoso entra em ebulição. Porém, se conseguirmos mentalizar isso, já um bom caminho andado. Porque sem oxigênio, nosso cérebro deixa de trabalhar corretamente, jogando excesso de adrenalina para o corpo e excitando cada vez mais nossos pensamentos e atitudes. E isso é mal, tanto para nós, quanto para a pobre criatura que se colocar em nosso caminho.

Comigo aconteceu uma vez ontem, e vi outras pessoas na mesma situação. Como já medito a anos, lembrei-me imediatamente de respirar profundamente e tentar não me alterar. O problema é que o provocador, se é que podemos chamar assim, na insistência de ter razão, vai minando nossa paciência. E parece querer mostrar a ele mesmo, não parando de falar, que acredita que é o mais certo, sem ao menos cogitar acalmar-se e deixar que o coração analise os fatos mais profundamente, do que seu cérebro colérico. 

Eu mentalizava, enquanto ouvia, minha respiração e tentava controlar meus nervos. Como sou chorona, não consegui dominar o sentimentalismo e algumas lágrimas acabaram escorrendo dos olhos. Dizia para mim mesma em pensamento: - Pare já de chorar, se controle"! 

Mas até que ponto devemos segurar nossos sentimentos? Talvez isso seja orgulho, talvez seja porque não queremos demonstrar fraquezas ou simplesmente porque nossa criança interior deve aquietar-se e agirmos como adultos. Adultos não choram! Acho que os adultos são muito infelizes por isso. Deixam-se enfraquecer pelo ego de que ter força é sinônimo de poder e quem mostra isso (controle), pode estar mais preparado para situações de estresse e cargas emocionais. Talvez sim, mas até o dia do próprio enfarto ou úlcera que rompeu-se no estômago.

Então, a vida nos dá escolhas. E, se diariamente somos testados por problemas no trabalho, nas relações sociais e familiares e quaisquer outras situações, temos que encontrar um momento só nosso para aliviar essas tensões e descarregar energias estagnadas que possam estar causando toda forma de ansiedade e raiva. Se não fizermos isso, acabaremos descarregando na pessoa que menos merece. Muitas vezes ela fica sem saber o por que de tal tratamento agressivo. E machucamos profundamente alguém querido. 

Existem diversas formas de aliviar essa energia, muitas delas já citei aqui em meus textos. Podem ser: respiração consciente ( prestar atenção no fluxo do ar ), pisar descalço na terra (como se fosse o fio terra), fazer uma oração num local tranquilo como uma igreja, meditar (entrando em contato com seu Deus interior, se perdoando), tomar um belo banho de cachoeira ou mergulhar numa onda, caminhar na mata e até exercitar-se o suficiente para eliminar as toxinas do corpo. Talvez existam mais formas, mas essas são muito boas. 

Diariamente, vamos ouvindo desaforos ou críticas que não são bem digeridas e tudo isso vai se acumulando dentro de nós. O que temos que evitar é descarregar erradamente e na hora imprópria. Porque se o acúmulo é grande e não estamos tomando certas atitudes para eliminá-lo constantemente, com certeza, explodiremos com um start tão idiota que deixaremos alguém boquiaberto, sem saber o por que de tanta estupidez e agressividade. Existem diversas situações que vemos isso.

O pior é que a pessoa que afetamos poderá, além de ferir-se e magoar-se, mudar completamente a atitude em relação a nós. Estas coisas acontecem a todo momento. E leva tempo para absorver, algumas vezes o perdão não se faz. Noutras, podemos pegar a outra pessoa sobrecarregada da mesma maneira, ocasionando brigas físicas e até morte. 

Portanto, para terminar esse texto, respiremos e busquemos mais do que tudo sermos terapeutas de nós mesmos, aliviando nossa carga de maneira sadia e ajudando, com certeza, às nossas relações. E, não se espante se você descobrir o real significado do que é uma vida leve.

NAMASTÊ

terça-feira, 12 de junho de 2018

AMAR...

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)


Imagem relacionada


" Em homenagem ao dia dos namorados, dos amores, dos corações apaixonados..!"


Não toque minh'alma, se não for para deixá-la mais suave;
Não fleche meu coração, se não for para que o veneno seja curador;
Não alimente meu ego com tuas palavras, se não forem verdades;
Não feche minha visão, obrigando-me a olhar só numa direção.

Amar não é sinônimo de gaiola. Pessoas egoístas fazem pássaros cantarem só para si.
Amar não pode prender, pois o encarcerado não expande seus horizontes.
E quem encontra um amor, encontrou-o no mundo, solto, livre e foi isso que o fez se apaixonar.

Amor é suave, é libertador. Quem ama de verdade, por mais livre que seja, sempre irá amar com respeito, com suavidade, com atenção. Se amamos, amamos e ponto final.

Amar não significa aceitar os defeitos, porque não vemos defeitos como os outros vêem.
Amar não significa obrigar a nada, porque se você também é amado, não precisa implorar.
E se você não for amado, não se obrigue a uma vida obcecada. Busque alguém que possa te amar, ou apenas seja amor.

Amar é tão sublime que muda feições, muda atitudes e muda pensamentos.
Amar nos faz andar sobre nuvens, flutuar no caminho e perder-se na alegria.

Se o amor for real, verdadeiro, não necessitamos experimentar outras emoções, porque nosso coração não tem lugar para aventuras. Por carência, acabamos confundindo amor com necessidade de companhia. Daí tanta confusão nos sentimentos das pessoas. Amor não tem a ver com sexo, mas com energia. Com troca, seja lá com o que ou quem for.

Amar é antes de tudo "se amar". E quem se ama, se dá o respeito de deixar entrar em sua vida alguém especial. Cuida de si mesmo. Observa, analisa e não se joga como peteca para cair nas mãos erradas. Isso é desespero, não amor.

Amar não tem explicação plausível. É algo interno que se expande, conforme o equilíbrio de cada um. Sim, depende de nosso equilíbrio, pois só quem tem plena consciência do seu EU, de sua vida, de suas experiências pode entregar seu coração e ajudar outro coração a seguir pelo mesmo equilíbrio.

Não se deve atordoar um coração com a desculpa que se ama. Isso nunca será amor. Aliás, isso vem de pessoas com falta de amor, sufocantes e gananciosas por atenção. Quanto mais apertamos um laço, mais espremido ele fica, podendo inclusive nunca mais ser o mesmo material. Enruga, rasga, amassa.

Se você precisa amar para se sentir de bem com a vida, busque antes de mais nada a satisfação pessoal. Conheça-se, curta-se, apaixone-se pelo que é e pelo que faz. Ande sozinho, conheça lugares, a vida e pessoas. Prepare-se para ser livre. Só assim poderá entender o significado do amor, quando este cruzar em seu caminho. E não se deixe vislumbrar pelo que vê, mas sim pelo que sente dentro de você.

Não se deixe morrer por amor, porque o amor não mata, ele alimenta a vida;
Ame, sem distinção, sem necessidade, sem desespero. Apenas, ame!
Deixe livre esse sentimento e conecte-se com todos que também sabem amar livremente.
E não se surpreenda se o melhor vier para você, pois estará se identificando com o que está ao teu real alcance e compreensão.

NAMASTÊ


segunda-feira, 11 de junho de 2018

VENTO MORNO DE OUTONO

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para VENTO MORNO DE OUTONO

Não se tem certeza da temperatura lá fora.
Aqui dentro, o ar gelado da casa após uma noite fria, nos deixa na dúvida do que vestir.
Espiando pela janela, o vento balança as folhas das árvores sutilmente.
E, ao olhar para o céu de outono, às seis horas da manhã, a escuridão ainda administra as cores.

O jeito é vestir-se para o frio, com perspectiva de sol ou chuva. 
Quem mora em Curitiba, sabe do que estou falando. Ora o tempo abre, ora escurece e esfria.

Mas, ao sair de casa, a claridade da manhã já se faz presente. E posso observar o céu azul claro, com a linda lua minguante ainda a enfeitá-lo. As nuvens rasgam o céu em formatos diversos. São poucas, mas alinhadas de forma interessante. Mas o que me chama a atenção é o vento morno. Não imaginava que estaria tão inefável. A vontade é ficar ao lado do meu cedro, apenas sentindo o balançar dos galhos, envolvendo-me calidamente.

A diversidade de tons e temperaturas da natureza é algo incrível. Temos que nos adaptar a elas. Mas a surpresa de um vento morno de outono, inesperadamente chegou e agradou. Hoje a temperatura não amanheceu tão baixa, estava em 14 graus. Mesmo assim, dentro de casa está mais frio que na rua. É delicioso sentir no rosto o vento morno, quando o corpo treme.

Quisera estar numa planície coberta de flores, ou na montanha ensolarada sentada em uma enorme pedra, apenas sentindo o vento morno de outono. Ouvir o som do universo em suave melodia com o chiado das folhas e o bater de asas dos pássaros dançando no céu. 

Não há nada mais belo que acordar para a vida que está ao nosso redor. Sermos gratos por toda essa abundância natural e bela que temos diante de nós. Não é questão de ir para um local lindo e despejar nosso cansaço e frustrações, mas de nos conectarmos com a essência, com a energia e com a beleza que está ao nosso redor. E respeitar aquele local como um santuário divino. 

É assim que vejo e me conecto com a natureza. Cada ação natural pode ser admirada, seja o sol batendo no mar e o fazendo brilhar, seja os raios cortando o céu numa noite escura e sinistra. Sentir a areia nos pés, o sereno no banco da praça, os cristais de gelo nos galhos das árvores ou o lindo arco-íris que se forma depois da chuva fina alcançada pelo sol. Tudo é incrivelmente belo!

Se você não desperta com esses sentimentos ao observar a natureza, deve estar faltando sensibilidade em você. E sensibilidade é algo tão bom, pois sentir a vida nos faz mais felizes e satisfeitos com o que temos. 

Um simples vento morno de outono pode tocar nossa alma e coração e é capaz de deixar o dia muito mais inspirador. A força parece tomar conta da gente, a alma fica mais leve e o amor parece brotar dos poros. Talvez o tempo que alguns tem para sentir isso seja curto, mas mesmo assim pode fazer desabrochar sentimentos únicos, que energizam qualquer espírito disposto a aceitar.


NAMASTÊ

terça-feira, 5 de junho de 2018

SEUS OLHOS NÃO VÊEM TUDO

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para SEUS OLHOS NÃO VEEM TUDO

Sabem aquela história de que "o que os olhos não vêem, o coração não sente"? Não sei quem escreveu isso, mas estava corretíssimo. Quantas vezes dizemos às pessoas que estamos bem, mas no fundo há destroços por todo lado?

Me pergunto se somos honestos conosco, quando o assunto é falar o que temos dentro de nós. Evitamos ao máximo criar climas desconcertantes em nossas vidas, então acabamos fingindo sorrisos, quando lágrimas insistem em correr no coração.

As pessoas, para aproveitar melhor o tempo que têm juntas, não costumam usar a cobrança como tema principal em seus diálogos. Isto porque querem transformar os momentos de encontros em situações agradáveis. Mas, às vezes, isso nem sempre é possível e "cutucar a onça com vara curta", pode causar ressentimentos.

Nossos olhos só vêem o que para nós possa ser conveniente, ou seja, simpatia, alegria e receptividade. Alguns, mais sensitivos, sabem que tudo aquilo não passa de máscara e encurtam os encontros por causa da energia estranha e incômoda que se aloja entre as partes. Quantas vezes nos apressamos ou inventamos que precisamos ir embora, só porque não aguentamos mais ficar em determinado lugar? E, ao sair, parece que um grande peso foi tirado de nós e voltamos a respirar.

Mas as pessoas sofrem e muitas vezes, caladas. E os outros enxergam olhos sem brilhos, sorrisos sem esperança ou "amarelos", mas não se atrevem a perguntar. Mas há quem despiste muito bem e só os muito sensíveis notam suas transformações. 

Nossos olhos nem sempre vêem tudo que está ao nosso redor. Restringem-se apenas ao que queremos ver ou quem sabe, saber. Temos tantos sentimentos escondidos, tanto passado sem resolução, tantos choros e medos reprimidos. Mas temos que ser fortes, porque só os fortes conseguem. 

Ontem assisti um filme em que um treinador fazia com que os rapazes fossem estuprados para se tornarem homens e enfrentarem qualquer coisa. O lema dele era " o que não te derruba, te fortalece"! Inacreditável! E pensar que existem pessoas com pensamentos tão semelhantes ou iguais. Alguns pais tem a coragem de dizer que "educam" seus filhos assim. As pessoas não deveriam ter filhos para jogar neles suas próprias más educações e neuras, só para descarregar suas raivas e frustrações.

Enfim, percebo que o mundo é um lugar que não o vemos por completo. Alguns o sentem mais que outros. Existem pessoas que demonstram mais o que sentem. Será que isto as tornam melhores que outras ou são apenas pessoas carentes e frágeis? Talvez seja justamente estes últimos adjetivos que todos querem evitar de ser rotulados. Mas, por quê? Por que temos tanto medo de dizer nossas verdades internas? Porque as pessoas não sabem o que fazer com nossas verdades e acabam fugindo das situações, nos abandonando. Não querem para elas problemas para resolver. Todos vivem buscando lugares melhores, onde possam ser felizes. É do ser humano ir em busca da paz e da felicidade. 

Então, para que tenhamos pessoas ao nosso redor, para que possamos viver na sociedade, em casamentos, em amizades, "engolimos" nossos sapos e reprimimos nossos verdadeiros sentimentos. Tudo por medo da solidão, da incompreensão e dos julgamentos dos outros.

O que dizer de nós, pobres seres cheios de incertezas e dores que jamais serão ouvidos ou entendidos por quem realmente amamos ou simpatizamos? Infelizmente, no dia em que estivermos frios e sendo velados, os que nos olharem não nos verão por completo e levaremos conosco, enterrados, todos os segredos que talvez, um dia, tentamos demonstrar, mas que não encontramos ninguém tão sensível para compreendê-los.


NAMASTÊ

terça-feira, 29 de maio de 2018

A CRISE E OS HOMENS

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para AA CRISE

É interessante como as pessoas gostam de tumulto, de guerra, de confusão. Convide alguém para encontros espirituais e não aparecerá tanta mídia, tanta gente fanática, como quando o assunto é "meus direitos".

Será mesmo direito de alguém reivindicar salário, quando não sabe economizar ou administrar bem seu dinheiro? Será mesmo direito de alguém reivindicar melhores atendimentos médicos, quando o cuidado com seu próprio corpo e porque não dizer mente, é uma coisa deixada de lado? Será mesmo direito de alguém ir para as ruas gritar por ordem e progresso, quando joga lixo no chão, coloca cimento em cima de qualquer área verde, corta árvores para não ter que limpar as folhas na calçada, fura filas, não tem paciência no trânsito e provoca confusão, brigas e estresse em todos?

O problema é que ninguém para para pensar no que é e faz realmente na sociedade. Ninguém nem sabe porque vai gritar nas ruas, bater panelas ou levantar bandeiras. Só quer dizer que faz parte, que ouviu dizer que aquilo lhe trará benefícios, lhe dará melhores dias e uma vida mais digna. Será?

Será que o povo não gosta mesmo é de sofrer, de ouvir notícias de medo, de sair na rua e comentar sobre o terrorismo, os acontecimentos que causam mudanças no cotidiano? Porque me parece que as pessoas não se conformam, enquanto não conseguem convencer outra pessoa que sua maneira de pensar é que é a correta. 

Desde os tempos mais remotos, as pessoas se dividiram em grupos: os que estão comandando e os que são comandados. E estar no segundo grupo implica em sujeitar-se a ter uma vida não muito satisfatória, visto não estar no poder. E o poder faz do homem um ser egocêntrico, orgulhoso e dominador. Como o homem ainda não descobriu uma maneira de dividir as coisas, querendo cada vez mais o que não tem e às vezes, nem consegue ter, começa a frustração. E é daí que vem as guerras, o terrorismo, a maldade, as manifestações e outras formas de enviar recados ao mundo que não se está satisfeito com o que se tem.

A sociedade é engraçada. Se muitas pessoas gritam por melhores condições de vida, então está tudo correto e é direito. Mas se uma única pessoa não dorme à noite porque não sabe como vai pagar as contas ou dar leite e pão aos filhos no dia seguinte, se ela não vê uma luz no fim do túnel para seu sofrimento e dor, sua doença que se alastra sem que ninguém a ajude caridosamente para realizar exames, então esta situação é problema único e exclusivo dessa pessoa. Ninguém tem nem coragem de ligar ou olhar para ela, por medo que peça dinheiro ou ajuda. 

O nosso país desmoronou em vergonha, em corrupção, em descaso. A culpa é de quem se deixa vender por comida e outras coisas, em troca de um voto. A culpa é de pessoas que não vêem a política como um instrumento de organização, mas de corrupção, de ganância e de poder. A culpa é das pessoas que não se importam com exageros, com gastos desnecessários, com o capitalismo exacerbado. A culpa é das pessoas que nunca se satisfazem com nada e vão acumulando bens ou jogando os mesmos na natureza. A culpa é dos que tem preguiça de arregaçar as mangas e dar duro no trabalho, na vida, no amor, na saúde, na caridade, no bem estar para todos. A culpa é de pessoas sem índole, sem passado, sem pais guerreiros e que ensinaram seus filhos o valor do trabalho e de ganhar seu sustento. A culpa é de um povo que só pensa em festas, que só se importa com ostentação, mesmo estando na miséria.

Como é que pode um país reclamar da falta de dinheiro, quando cartões de crédito explodem por falta de controle? Como ir às ruas xingar e brigar, quando a sua própria casa é um lugar desesperador para viver, sem amor, sem respeito, sem limpeza, sem ordem e progresso?

Eu não sei a saída para um país que se perdeu, tanto na política, quanto no povo que o habita. Porque se fôssemos um povo melhor, cuidaríamos de tudo: das nossas casas, filhos e família, dos nossos velhos, dos nossos doentes, da natureza, das escolas. Este povo é egoísta. Nos espelhamos em povos capitalistas, esbanjadores, sem analisar que talvez estes povos tenham chegado onde estão porque prezam pela família, pela saúde e pela ordem.

Na verdade não é querer ser cega ao que acontece ao meu redor. É querer transformar a minha vida em algo melhor. Quero ter qualidade de vida! O problema é que qualidade para mim, não significa o mesmo para outros. Não necessito de um jeans de griffe, nem de restaurantes caros. Posso comer um ovo frito, ao invés de um mignon. Ter coisas caras é puro poder. E tem pessoas que não sabem viver, se não estiverem mostrando aos outros que estão acima delas, de alguma forma. Só que isso não é felicidade real, porque nunca se estará perfeitamente satisfeito com o que se tem.

Posso dizer essas coisas porque já passei por vários degraus em minha vida. Já tive boas oportunidades e já tive tristes situações de desespero. Quando se está bem consigo mesmo, as coisas vão surgindo em nosso caminho e somos gratos a elas. Quando nos encontramos em paz, as idéias brotam, as pessoas aparecem, as oportunidades surgem. Temos que parar de esperar que os outros façam por nós, que os outros tenham obrigação de nos manter vivos. Precisamos nos mexer e ir atrás do que pode ser diferente, mas bom. Do que pode ser estranho, mas útil. Do que pode ser algo que nunca pensamos em ser ou fazer, mas que possa dar certo.

Foi assim que grandes homens, inventores, sábios e gênios deram à sociedade suas contribuições. Acreditaram neles mesmos, focaram suas idéias em seus trabalhos e deram um jeito de mostrar ao mundo que a loucura pode ser agregada ao conhecimento e dar luz à uma nova era.

Se você quiser ir às ruas brigar ou manifestar opiniões, pelo menos o faça sabendo realmente o que afeta em tua vida. Não vá apenas porque teu vizinho ou melhor amigo te chamou. Ele tem os ideais dele. Faça os seus, se conheça e pense no que realmente quer para você. Tem pessoas que se misturam só para causar pânico, medo e sugestionar aqueles que "se deixam levar" sem opinar. Que triste a vida dessas pessoas! Não são delas, pertencem aos manipuladores.

Meu querido país está em crise e lamento isso, pois gostaria de pensar que minhas netas terão nas mãos terras, água e comida. E, de minha parte, conscientemente farei tudo para isso, cuidando da natureza, racionando a água e plantando sempre que possível. Gostaria muito de poder deixar a elas a natureza de presente, pois viver eternamente em cimento, não tem graça. 

Sou brasileira e tenho orgulho da terra, não do povo. A alegria do povo brasileiro está mais para um cérebro ignorante e bobo, do que para a felicidade. E tem bastante gente sabendo aproveitar isso para tirar vantagem. Portanto, meu recado é: ACORDE POVO BRASILEIRO!

Eu realmente precisava desabafar e agradecer a Deus por existir em minha vida!

Para pensar....


NAMASTÊ


quarta-feira, 23 de maio de 2018

CAMISOLA SURRADA

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para camisola velha


Quem não gosta de colocar aquela roupa surrada, que não conseguimos nos livrar e que parece acariciar nosso corpo cansado? Não tem como negar que todos devem ter em seu armário uma peça assim. Aquela peça que, ao chegarmos em casa e nos livrarmos de todo "aperto", nos faz sentir leves e livres.

Sabem aquela peça de roupa que os parentes e vizinhos olham e dizem: lá vai ele com o uniforme! Ou então aquela velha camisola de malha, esticada, mas que ao tocar seu corpo, parece de seda?

É interessante como nos apegamos a determinadas peças do vestuário. E estas peças parecem nos entender e até conversar conosco. Podemos ter uma pilha de moletons e camisolas mas, ao abrir o armário, lá estão aquelas peças. Prontas para pular em nosso colo. Se elas nos fazem tão bem, danem-se o que e como os outros as classificam. O importante é nos aconchegarmos e ter essa boa sensação de leveza no corpo.

Como uma hora temos que lavar a peça, obviamente iremos nos ocupar de outras que estão guardadas. E, se ela demora a voltar para seu lugar, vamos buscá-la no varal ou tentar secá-la rapidamente. Não é exagero! Se você pensar, deve ter algo assim no guarda-roupas.

Ontem me dei conta disso, quando uma camisola velha, de algodão, deslizou sobre meu corpo e, mesmo vestida, me sentia nua. Percebi que todo peso do dia tinha se esvaído. E que naquele momento meu papo agora era com meu bem estar. Isso vale também para aquele chinelo que acaricia nossos pés ao chegar em casa e tirar botas ou sapatos que, de uma forma ou outra, nos achatam.

Na verdade, esse momento de liberdade que experimentamos é mais percebido e intenso quando, além de estarmos sem opressões de vestes, temos também o silêncio e a paz. Daí, danem-se os problemas! Essa hora é sagrada! Nossa mente se tranquiliza de sons agudos, de barulhos estridentes e de comentários gerais, para a paz sagrada do lar ou do lugar que escolhemos para estar em paz.

E nossa conversa agora é apenas com nossa roupa surrada, nossa xícara de café ou chocolate quente e aquela fatia de bolo que estava à nossa espera. Se você nunca pensou ou sentiu isso, está deixando de apreciar em sua vida momentos únicos. Só os que tem essa sensibilidade e oportunidade, poderão dizer se estou errada.

A questão é que não se deve mexer na roupa amiga de alguém. Dar embora sem perguntar ou dar "sumiço". Precisamos agradecer a ela pelos bons momentos e desfazer os laços de amizade e companheirismo. É injusto a camisola surrada ou seu moleton largo sumir de repente. É óbvio que precisamos estar bem vestidos em diversas ocasiões, mas dê licença a você mesmo para ter conexão com a roupa desbotada, até que se dê conta que alguma outra possa tomar seu lugar.

Um dia, com certeza, você vai arrumar seu armário e perceber que tem muita coisa que não usa mais, que não gosta ou que saiu de moda e não se encaixa em você. E vai fazer aquela pilha de roupas para passar adiante. E, quem sabe, vai acabar retirando da pilha e voltando para o armário, sua velha camisola, pois ela ainda tem muita coisa para dizer...


NAMASTÊ



segunda-feira, 21 de maio de 2018

QUEM SÃO OS AMIGOS

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para AMIGO DE VERDADE


A palavra amigo, de acordo com seu significado divulgado, é de uma relação de afeto, consideração e respeito. Mas, podemos realmente considerar nosso "amigo" aquele que simplesmente se afeiçoa ou tem consideração por nós?

Talvez muitas pessoas gostem de como somos, mas isso não significa que elas sejam "amigas" ao ponto de tomar nosso partido em um momento realmente crítico e que precisemos de justiça. Vemos muito isso em empresas, onde as pessoas se consideram amigas, mas na hora de ajudar alguém injustiçado, se recolhem nas sombras e se calam, para não prejudicarem a si mesmas. 

Já assistiram a algum filme, por exemplo, onde o verdadeiro amigo se complica, porque defende e fica junto a quem considera seu amigo? Então, quero chegar neste ponto. Quem são os amigos?

Temos o costume de chamar de amigo qualquer pessoa que saia conosco, que de repente costume visitar nossa casa ou que seja companhia de passeios. Mas, será que essa pessoa realmente está ao seu lado? Levando em conta que somos medrosos e egoístas e que não queremos nos envolver em problemas alheios, quem são as pessoas que ficarão conosco na hora do aperto? É óbvio que também devemos saber separar quem se aproveita de nossa amizade, de quem está precisando de ajuda. Alguns tem a petulância de nos perguntar se não somos realmente amigos, tentando nos colocar em má situação. Esses, devemos deixar que resolvam seus próprios problemas. Ser amigo não significa ir preso por alguém, ou fazer o que vai contra nossas convicções.

Tem pessoas que literalmente "entregam" suas vidas para manipuladores mentais e físicos. É o caso de crenças religiosas e fanáticos que conseguem encantar pessoas perdidas e que estão desequilibradas emocional e sentimentalmente. Estas buscam por alguém que as conforte e que lhes diga o quanto são importantes, entregando-se totalmente a elas, numa lavagem cerebral. Elas pensam que encontraram os verdadeiros amigos e até chamam de família. Até a hora que realmente precisem e ouvirão discursos sem fim, para que se conformem e deixem o rebanho.

Amigos são aqueles que te respeitam e consideram, que lembram de você mesmo estando longe, que não interfere em sua vida, mas te ajudam a pensar, se recorrer a eles. Amigos te observam e seus olhos falam a você, orientando a não continuar por aquele caminho. Amigos fazem de tudo para que você esteja feliz, não se importam com seu dia de mau humor ou sua resposta grosseira, e no dia seguinte te manda uma mensagem de bom dia. 

Amigo pode ter a vida dele e tem. E se preocupa com a vida dele, mas vez ou outra quer saber como está a sua e te pergunta se precisa de algo. Amigo não rouba teu lugar na vida, não te convida para fazer algo ilícito, impróprio ou que vá machucar quem você ama. Amigo quer ver você crescer, mesmo que ele não esteja conseguindo fazer isso por si. Amigo quer entender por que você agiu daquela maneira, ao invés de te julgar de imediato. Amigo sente-se feliz com sua promoção, com seu carro novo, com sua vida. Não te classifica por riqueza, beleza ou inteligência. Aprecia você e não onde mora, como se locomove ou se tem saúde.

Amigo vem te buscar e te leva em casa, se quer sua companhia. Amigo vê seu erro em algum projeto que irá apresentar e corre para te alertar, não esperando que você se "ferre". Amigo se oferece para te acompanhar ao hospital, te segura no funeral de alguém querido, paga a conta quando percebe que está sem dinheiro suficiente. Amigo não se importa com teu jeito desleixado, extravagante ou rebelde, mas te ajuda a enxergar novas possibilidades, esclarece e te faz melhor.

Amigo não te abandona no melhor momento, se compromete, não falta ao que te faz feliz naquele momento. Não te troca por bobagens, sabe que precisa estar lá, te olhar, abraçar e se orgulhar.

Depois de ler tudo isso, pense melhor em quem considera amigo de verdade. Colegas e conhecidos temos vários pelo mundo. Alguns até são bem legais. Mas amigos, amigos de verdade, podemos ter apenas um e ficar realmente felizes. Pois quem tem um amigo de verdade, deve ser muito feliz!

E, não esqueça de que, se quer um amigo, seja um também. Mas um de verdade!!!


NAMASTÊ

sexta-feira, 18 de maio de 2018

VOCÊ FICA MAIS LEVE

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para FICAR MAIS LEVE

Tenho analisado algumas situações que passo na vida e percebi nitidamente que nossos "pesos" vem de expectativas frustradas. Às vezes, estamos numa alegria e motivação enormes, como que impulsionados pela vontade de fazer, criar e estimular nossas vidas, por causa de algo novo e que nos chamou a atenção. Aí, resolvemos contar para alguém que não sintoniza a mesma "vibe" e logo levanta os olhos ou começa a falar coisas negativas.

Não sei se tem a ver com o medo, ciúmes ou inveja dessas pessoas por diversos motivos, que elas resolvem enfiar em nossa cabeça seus próprios medos, confundindo toda nossa euforia. Imediatamente, você começa a sentir o tal peso na consciência e nas costas. Diversas perguntas já começam a se formar, do tipo: será mesmo?

E como nos livrar desses pesos, sem que deixemos de dar atenção a algumas coisas que podem ser um alerta e que por nossa própria excitação não estamos vendo? A resposta vem quando nos conectamos com nosso coração. Devemos, antes de mais nada, silenciar nossa mente num processo meditativo e contemplativo. E conversar com o universo sobre as possibilidades e idéias que surgiram dentro de nós. Sabemos que riscos existem, mas que recursos utilizar para amenizar tais riscos podem ser levados em consideração?

Acredito que as pessoas que chegam onde querem chegar, seguem seus próprios sentimentos, orientadas pelo coração e alma, mesmo que durante este caminho encontrem empecilhos e dificuldades. Porém, a enorme vontade que amplia sua comunicação com o universo, acaba auxiliando com recursos, pessoas e idéias para solucionar as questões.

Não desistir perante o peso que alguém colocou na sua idéia já é meio caminho andado. Mas, para que você não faça este caminho confuso ou amedrontado, deve antes de tudo respirar profundamente e libertar-se das opiniões que não te ajudam, apenas te frustram. O medo é o pior sentimento para que sigamos em frente. E, depois que nos deixamos influenciar por pontos de vista divergentes do nosso, fica mais difícil eliminar a sensação de medo. E vem o peso na consciência.

Mas, se ao invés disso tudo, erguermos as mangas e seguirmos nosso instinto de que poderá dar certo sim, e lutarmos pelo que achamos corretos para nós, talvez possamos mostrar a essas pessoas negativas que não nos deixamos levar por suas opiniões. E, mais ainda, talvez mostremos a elas que estão erradas e que se ainda assim não concordam, então que sigam seus caminhos, mas deixem os outros seguirem os seus sem interferir em nossas missões de vida.

Ficamos mais leves quando vamos jogando fora mau humor, falta de confiança e problemas dos outros. Cada um tem seu peso e sua função. Não devemos nos culpar por não querer ouvir fofocas ou negatividades. Apenas estamos nos livrando de energias pesadas. Se queremos ficar longe de pessoas que só sabem conversar para criticar ou demonstrar seus medos, então fiquemos. Devemos depurar nossa mente constantemente. Não é estar alheio aos problemas da humanidade, é apenas não sobrecarregar nossa alma com sujeira e lixo.

Por que temos propensão de buscar o que os outros fazem de errado, feio e sujo, ao invés de iluminarmos nossos olhos e alma com boa música, videos inspiradores e motivacionais? Aconselho a deixar de ler noticias que não te trazem nenhum sentimento de alegria e paz. Seja leve, faça sua vida leve. Deixe que os que não estão interessados na busca de seu mundo melhor, fiquem longe de seu convívio. Acorde, sorria, ouça música, se estique, olhe o céu ou a chuva na janela e seja grato. A gratidão nos deixa leves. 

Não pare de sonhar e de tentar realizar seus sonhos por causa de simples opiniões. Pessoas são feitas de carne e osso. Podem ter estudado mais, mas seus corações e mentes são feitos do mesmo material. Então, mesmo mais inteligentes, ricas ou seja lá como se denominarem, essas pessoas não são e nunca serão donas da verdade. Por isso, muito cuidado com tudo que ouve por ai em palestras e cursos. Há mais do que vontade de falar e ensinar ao mundo. Tem muita gente que só busca ganhar dinheiro às custas de quem acredita piamente em alguém, sem questionar quem realmente está te ensinando, e porque não dizer, influenciando.

Sejamos leves e nos deixemos ser abraçados pelo universo. Este sim nos dirá que caminhos seguir. Inclusive o de bons e verdadeiros cursos, projetos e idéias para nós e para o que somos no aqui e agora.

NAMASTÊ

terça-feira, 15 de maio de 2018

SIM, EU ME E TE PERDÔO

Autora: Josianne L.Amend (JosiLuA)

Resultado de imagem para EU ME PERDOO


Fingimos não nos importar, empinamos o nariz e batemos no peito dizendo que estamos bem.
Somos orgulhosos, não queremos piedade, muito menos mostrar fraquezas. E vamos ofuscando nossos próprios erros através de histórias mal contadas, inventadas ou aumentadas. Às vezes, nem nos recordamos exatamente do que aconteceu, mas falamos. Falamos demais, falamos errado, falamos sem ter dignidade sobre aquele ato. E tudo com a simples questão de desabafo. Nós, sempre nós...!!!

Os outros é que não nos compreenderam, eles que erraram com suas atitudes e nós somos os eternos bonzinhos e "coitados". Será???

O que deixamos que os outros façam conosco é culpa de quem, afinal? E o que nós fazemos pode ser considerado um ato de libertação, de direito e de vida? Por que nos deixamos viver vidas que não queremos, ouvir coisas que nos machucam e nos aprisionar em correntes cheias de pesos difíceis de arrastar na caminhada?

Uma hora temos que nos libertar de condições, de pessoas, de trabalhos que odiamos, de insatisfações. Não parece nada fácil, visto que o mundo é cruel, cheio de concorrências e pessoas dispostas a te dar uma rasteira. Mas, e aquela angústia diária que carregamos no peito, por ter cometido coisas no passado que não foram leais ou nos parecem de certa forma injustas, hoje? A melhor maneira de começar uma limpeza em nossas vidas é, sem dúvida, o perdão.

Não o perdão da boca para fora ou aquele que nos alivia só o ego. Mas o perdão que penetra o espírito, que até nos humilha, pois rasga a condição de ganhadores. Sabemos que muitas pessoas não estão em condições de realizar tal trabalho, pois não conseguem se ver em tais condições, ainda por estarem presas ao material, como se isso tudo fosse desmontar uma parte de seu próprio corpo. 

Mas, para quem tem um aperto no peito e se culpa por ter atrapalhado e prejudicado a vida de outra pessoa, experimente dizer com toda a devoção, num momento só seu, num lugar especial, num ritual do seu coração:

- Sim, eu errei!
- Sim, eu prometi e não cumpri!
- Sim, eu te deixei só!
- Sim, eu fui injusto e pensei só em mim!
- Sim, eu pratiquei maldades que te fizeram sofrer!
- Sim, eu penso em quanto mal poderia ter evitado!
- Sim, eu menti em meu próprio benefício!
- Sim, eu magoei alguém que me amava!
- Sim, eu fui egoísta e te abandonei sem explicações!
- Sim, eu disse coisas que te machucaram!
- Sim, eu te roubei, te matei, te destruí!
- Sim, eu te prejudiquei com minhas mentiras!

E agora, eu me perdôo e te perdôo do fundo do meu coração. E sei que mudei o rumo de sua vida por causa de meus erros, meus sentimentos, minhas histórias. Apesar de parecer, meus pensamentos não deixam eu esquecer que errei. Minha consciência me lembra de tempos em tempos que causei algum mal a alguém. Que desfiz crenças, que frustrei sentimentos, que apedrejei alegrias e que esmigalhei esperanças. E, para que eu me liberte de vez da dor da consciência, eu me perdôo e peço teu perdão. Mas te perdôo também por me causar sentimentos que me fizeram usar, abusar e me aproveitar de sua fraqueza. 

Quero limpar minha alma enviando bons sentimentos a você e ao universo. E buscar transmutação em todo filme que nos mostra em brigas e violência, em discussões e intrigas, em malandragens e ações indignas, com a maravilhosa luz violeta de Saint Germain. Que meu coração se transforme em luz plena e cheio de amor e que eu possa vibrar este amor tão intensamente, que possamos transmutar o passado, compreendendo, respeitando e abençoando os desvios que Deus nos colocou, para que chegássemos no aqui e agora plenos e conscientes de que devemos amar, respeitar e olhar com mais profundidade para outro ser humano.

Que a luz se faça no aqui e agora e que todo sentimento ruim possa escoar e ser transmutado!

Aqui se faz, assim seja, assim é!


NAMASTÊ